Domingo, 29 de Março de 2009

PAULINE E O TEMPO

       Nesses últimos anos minha noção de tempo está sensivelmente mudada. Fatos que aconteceram pela manhã, são recordados como se tivessem ocorrido no dia anterior, ou, na semana passada. E o que é mais estranho, quando esses fatos são rememorados tempos depois, a impressão é de que aconteceram há meia hora atrás. Parece que o tempo estica e encolhe como se fosse uma sanfona.

        Antigamente, as informações demoravam a chegar até nós. Uma carta de um parente distante, uma notícia importante, um cartão postal que enviávamos chegavam a seu destino dias depois. A roda do tempo era mais lenta, o que criava um espaço onde podíamos analisar, refletir sobre as informações que chegavam até nós. Hoje, ao mesmo que tempo ficamos sabendo dos buracos da cidade, de quebra ainda somos informados sobre um furacão em uma ilha qualquer da Indonésia, de um atentado no Iraque, um terremoto na Turquia, a queda da bolsa de Londres, uma socialite famosa que ficou pelada em Los Angeles, uma chacina na Somália, inundação na Austrália e vai por aí.


        E com tudo chegando ao mesmo tempo, lá se vai o espaço para reflexão e o que fica é um espaço vazio, preenchido por informações sem vida, sem crítica. Tenho a impressão de que essa solidão de que tanta gente se queixa, nada mais é que a consequência desse espaço cheio de bobagens, de coisas inúteis que são essa avalanche de informações que nos atingem. O nosso espaço reflexivo desapareceu e com ele, nossa análise, nossa crítica e nossa capacidade de intervir esentir-se como ser vivente e atuante.

        Mudando de assunto, ontem fui ver "Simplesmente Feliz". Filme inglês do mesmo diretor de "Segredos e Mentiras", lembram? Aquele filme sobre uma mulher já cinquentona, que um dia abre a porta da sala e dá de cara com uma mocinha negra, fruto de sua vida de hiponga tresloucada. Em Simplesmente Feliz, Pauline é uma professora primária de uma escola de Londres, Uma pessoa de um otimismo à toda prova, sempre procurando e achando o lado menos negro da vida. Se você vir o filme e não rir nas sequências das aulas de direção, de dança flamenca e da cama elástica é porque você certamente está numa bad daquelas, meu caro, minha cara. Fiquei com a sensação de que Pauline vive o momento, se apropria de seu tempo e faz dele o uso que bem entende. Seria isso, um dos pilares da felicidade?

        Seja como for vale a pena ser visto. Já repararam que é muito raro um filme tratando de pessoas comuns e felizes?  Será que é porque, como diz uma frase atribuída a Leon Tolstoy, todas as felicidades são semelhantes, mas cada infortúnio tem seu aspecto particular?

sinto-me: voando nas asas do tempo
publicado por cacá às 22:51
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Isa a 8 de Abril de 2009 às 02:53
Adorei o post, Cacá! Não conhecia a frase de Tolstoi, achei ótima.
Saudade de você!
Beijinhos
Isa.
De Isa a 8 de Abril de 2009 às 02:54
ah, e devo dizer que você escreve bem demais! ao contrário dos meus posts que são um pouco às pressas, nos seus tudo está no lugar certo, é um deleite.

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

TESOUROS PERDIDOS

I WON'T CRY FOR YOU, ARGE...

VOLTEI PRO MORRO

SE...

SOSSEGADO E CRUCIFICADO

AO SUL DO EQUADOR

HABEMUS DILMA

FILHO DE PEIXE, NEM SEMPR...

arquivos

Maio 2015

Julho 2014

Abril 2014

Junho 2011

Março 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

blogaqui?

já visitaram esse blog

subscrever feeds