Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

OS TREZENTOS

  Já fazia algum tempinho que eu não ia ao cinema. Numa quarta-feira, mais ou menos quinze dias atrás, resolvi que iria ver "Os Trezentos". Por ser de formação católica e por gostar de História, principalmente quando se trata de assuntos ligados aos gregos e romanos, vi filmes como "Quo Vadis?", "Demetrius, o Gladiador", "O Manto Sagrado", "Sansão e Dalila", "Ben Hur"e como não poderia deixar de ser "Os Dez Mandamentos". Meu Deus - estar em frente a uma tela imensa, tomando quase toda a parede do cinema, vendo o mar se abrir, é uma experiência que não se esquece com facilidade. Naquela noite de hum mil novecentos e bolinha, eu quase não dormi direito, assombrado com o que vira. Eta, tempo bom! Como não vira "Tróia" e "Alexandre", como perdera vergonhosamente "As Cruzadas", decidi honrar meu passado, e corri para o cinema, pois além de estar um pouco atrasado para sessão, era dia de meia-entrada. Os assuntos do bolso, são urgentes, não é mesmo pessoas?

 

    Gente - o filme no que se refere ao tratamento das imagens, é nota dez. Eu fiquei impressionado com aquela mistura de estória em quadrinhos e filmes comuns, de verdade, se é que vocês estão me entendendo. O resultado é muito, mas muito interessante. Fiquei imaginando ver filmes como ""E o vento levou", “O Último Imperador”  com aquele tipo de tratamento. Ia ser um arraso, com toda a segurança. Porém - em relação ao conteúdo, à mensagem que passa - é um terror. Maniqueísta a mais não poder. Como todos já devem  saber, o tema de "Os Trezentos" é sobre a resistência do exército de Leônidas, rei de Esparta, ao exército de Xerxes,.no desfiladeiro das Termópilas. No final da estória, Leônidas entregou a cambuquira, mas deu um trabalhão danado pros persas, que contaram com a providencial  ajuda de um espartano traidor.

 

    Pois bem - o filme principia fazendo uma espécie de apresentação do que seria a sociedade espartana daqueles dias. Uma sociedade eminentemente masculina, regida por atividades ligadas à guerra e à conquista. Em consequência,  seus valores são coisas como força física, resistência à dor, lealdade, obediência, respeito à hierarquia, disciplina. Como é previsível,  nesse tipo de organização social não há lugar para a sensibilidade, a incerteza, a dúvida. O papel das mulheres é o de ser simples coadjuvantes de seus maridos, mulheres verdadeiras, para parirem homens verdadeiros, no dizer da rainha de Esparta, mulher de Leônidas. Homens verdadeiros e saudáveis, pois aqueles que tem a desgraça de nascerem com alguma imperfeição física, são descartados imediatamente. Homens verdadeiros, saudáveis, que não perdem tempo com aquelas frescuras dos filósofos pederastas de Atenas, como é dito numa certa altura do filme. Com esse pano de fundo, no filme tudo o que se refere à Esparta é tratado de forma a ressaltar cores claras e brilhantes, a austeridade dos ambientes e da vida diária, a devoção à cidade,  a retidão e pureza de caráter.

 

    E do outro lado, como eram coisas? O outro lado, no caso, refere-se aos inimigos de Esparta e por extensão da Grécia. Como é sabido,  Xerxes, rei da Pérsia, estava muito a fim de dar uma sova daquelas nos gregos e colocar Esparta, Atenas e a Grécia todinha sob seus domínios. Seguindo a lógica maniqueísta de dividir as coisas de modo estanque, Xerxes, os persas e seus aliados encarnam  a figura do Mal. Desse modo, se em Esparta tudo era muito claro, visível e reto, o exército de Xerxes surge como a personificação do obscuro, daquilo que não se vê porque não se deve , da deformação e da iniquidade. Os componentes do exército persas são figuras assustadoras, monstruosas,  selvagens e sanguinárias. Apesar de tudo isso, há um diferencial entre um e outro exército – enquanto que do lado dos espartanos impera uma monotonia no tocante aos tipos humanos, do lado dos persas há uma grande multiplicidade: negros, brancos, feios, mais ou menos, cabeludos, sem cabelos, etc. O próprio Xerxes é um verdadeiro carro alegórico, se comparado à figura de Leônidas: muito alto, voz trovejante, todo enfeitado de colares, pulseiras, brincos, piercings, cabeça raspada, sombrancelhas feitas, unhas compridas e esmaltadas.  Coitado do Rodrigo Santoro – foi transformado numa bichona.  Contudo, é assim que o Tio Sam vê o resto do mundo – como uma ameaça, um perigo que pode  a qualquer momento ataca-los. Até a queda do Muro de Berlim esse inimigo tinha um nome – União Soviética e seus aliados. Entretanto, depois da queda do Muro e, principalmente, depois do 11 de Setembro, esse inimigo perdeu a identidade e a visibilidade. Pode ser qualquer um, atacar a qualquer hora e de qualquer lugar. Há mais de quarenta anos, esse inimigo eram os vietcongs. Estavam no sudeste da Ásia. Tempos depois, o inimigo passou a se chamar Kadafi, Saddam, Arafat. Estavam na Líbia, Iraque e Palestina. Hoje é Bin Laden e nunca se sabe onde ele está. Ora surge numa montanha do Afeganistão, ora numa aldeia do Paquistão. Quem viu “Babel” sabe bem o tipo de paranóia que isso desperta em povos e seus governantes.

 

    Bem, resumindo – o filme vale mesmo pelo visual inovador, pelo menos para mim. Entretanto, o seu conteúdo é um retrato autêntico do imaginário norte-americano sobre si mesmo, enquanto povo e enquanto nação, nesses tempos bicudos de George Bush.  O único senão – nos créditos não aparece o nome dele.

 

sinto-me:
publicado por cacá às 01:11
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

OS TREZENTOS

arquivos

Maio 2015

Julho 2014

Abril 2014

Junho 2011

Março 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

blogaqui?

já visitaram esse blog

subscrever feeds